Vitrectomia

Uma das mais inovadoras técnicas introduzidas nos últimos anos foi o sistema de vitrectomia transconjuntival desenvolvido por Fuji et al. Por meio desse sistema, três microcânulas são inseridas na esclera via transconjuntival na região da pars plana. Os instrumentais vitreorretinianos e a linha de infusão são introduzidos através dessas cânulas para cavidade vítrea. Devido ao pequeno diâmetro de 25 gauge, a incisão sela automaticamente após a retirada do instrumental, sem a necessidade de sutura.

Esse procedimento rapidamente conquistou vários adeptos por causar trauma mínimo na conjuntiva, não requerer sutura (evitando, portanto, o astigmatismo relacionado à sutura), reduzir o tempo cirúrgico e proporcionar recuperação visual mais rápida.