Centro-Oeste é recordista em ocorrência de catarata no Brasil, diz IBGE

A catarata atinge 33,7% dos brasileiros com mais de 60 anos da região Centro-Oeste, maior índice do Brasil. Em seguida aparecem as regiões Nordeste (31,9%), Sudeste (28,7%) e Norte (26,7%). O Sul foi o local que teve menor ocorrência (21,8%). A média no Brasil foi de 28,7%. É o que aponta a Pesquisa Nacional de Saúde 2013, divulgada pelo IBGE na última sexta-feira (21).

As mulheres são mais acometidas: 31,9% das idosas têm a doença, contra 24,6% dos homens. E o risco é maior depois dos 75 anos – 47,5% dos brasileiros nessa faixa relataram ter catarata. De todos os diagnosticados, 72,2% receberam indicação de cirurgia dos médicos e a realizaram.

A catarata é uma doença ocular causada pela opacificação do cristalino, lente natural do olho responsável pela focalização da luz sobre a retina. “Quando o cristalino se torna opaco, a luz não chega à retina em quantidade suficiente, o que prejudica a qualidade da visão. Com o passar do tempo, a catarata pode se agravar até causar cegueira”, explica o oftalmologista Hilton Medeiros, da Clínica de Olhos Dr. João Eugenio.

O único tratamento para catarata é cirúrgico. “O procedimento substitui o cristalino danificado por uma lente artificial que recuperará a função perdida. O cristalino pode ser retirado inteiro ou por facoemulsificação (um aparelho que tritura e aspira o cristalino), que tem a vantagem de exigir corte menor e menos suturas”, afirma o médico especialista em retina e vítreo, e que já realizou quase 20 mil cirurgias de catarata.

As lentes implantadas são definitivas e não precisam ser trocadas, a exemplo de outras próteses. O índice de recuperação satisfatória da visão chega a 90% dos casos.

Mesmo nos casos de cegueira provocados pela doença, a visão é recuperada após a cirurgia. No entanto, se catarata evoluir muito e o cristalino crescer demais, ganhando um volume maior, o paciente pode contrair um glaucoma secundário e, consequentemente, uma cegueira irreversível, alerta Hilton Medeiros.

Apesar de não existir nada que possa prevenir a catarata, cuidados como uma boa alimentação e o uso de óculos escuros com proteção ultravioleta podem ajudar a retardar o seu aparecimento.

A pesquisa revelou também que a deficiência mais comum no Brasil é a visual e atinge 3,6% da população, seguida pela deficiência física (1,3%), deficiência auditiva (1,1%) e intelectual (0,8%).